27 de janeiro de 2014

Cosmogonia Nórdica

۞ ADM Sleipnir


Ginnungagap
No início de tudo, antes do despertar dos deuses, não existia nada exceto um abismo aparentemente infinito chamado Ginnungagap. Ginnungagap era um vazio semelhante ao caos grego, cercado ao norte por Niflheim, um mundo gélido e de escuridão, e ao sul por Muspelheim, um mundo de fogo. No meio de Nifleheim corria Hvergelmir, uma cascata de onde saíam onze rios conhecidos coletivamente como Elivagar. Conforme esses rios afastavam-se de sua fonte até as bordas do Ginnungagap, o frio de Niflheim congelou suas águas e vapores transformando-os em gelo e neve. Quando as labaredas de Muspelheim encontraram-se com os Elivagar, o calor derreteu o gelo e formou um grande gigante chamado Ymir, que se tornou o pai da raça de gigantes de gelo. 


Ymir
Ymir dormiu durante varias eras e enquanto ele dormia, de seu suor surgiam outros gigantes. Havia outro ser, criado mais tarde também do encontro entre gelo e fogo, a vaca Audumla, que alimentava Ymir e seus filhos com seu leite, que corria de seus úberes formando quatro rios. Um dia, Audumla estava se alimentando, lambendo o gelo salgado de uma pedra, até que em certo ponto surgiu a cabeça de um homem . Após 3 dias lambendo a pedra, surgiu o deus Buri.  Buri deu origem a Borque casou com a giganta Bestla, a filha do gigante de gelo Boltha. Dessa união surgiram os primeiros deuses da classe dos Aesir, Odin, Vili e Ve.

Assim que os gigantes tomaram conhecimento dos deuses, iniciaram uma guerra contra eles, que só terminou quando os filhos de Bor mataram a Ymir. O volume de sangue que escorreu dos ferimentos de Ymir foi tão grande que quase todos os gigantes de gelo foram afogados na torrente. Apenas os gigantes Bergelmer e sua esposa escaparam da inundação agarrando-se a um tronco de árvore, e acabaram chegando na montanha de Jotunheim, que se tornou o lar de uma nova raça de gigantes de gelo.

Odin e seus irmãos  usaram  o corpo de Ymir para criar Midgard. Eles colocaram o corpo de Ymir sobre o vazio (Ginnungagap) e fizeram a Terra de seu corpo e as rochas de seus ossos. Pedras e cascalho originaram-se dos dentes e ossos esmigalhados do gigante morto, e seu sangue preencheu o Ginnungagap, dando origem aos lagos e mares. A abóbada celeste foi formada de seu crânio esfacelado. 




Após remexerem o cadáver do gigante, os irmãos descobriram um ninho de vermes. Odin, então, resolveu dar-lhes uma outra morada que não Midgard. Os “vermes” mais turbulentos foram chamados de anões e receberam como morada as profundesas da terra (Svartalfheim). Os demais, que pareciam ter um jeito mais nobre de se portar foram chamados de elfos e receberam as regiões amenas de Alfheim. Quatro anões chamados Nordri, Sudri, Austri e Vestri sustentam o crânio de Ymir. 


Do cabelo de Ymir formou-se a flora, e de seu cérebro originaram-se as nuvens. Faíscas de Muspelheim foram colocadas no céu, e assim surgiram as estrelas. A Terra era um grande círculo rodeado pelo oceano, e os deuses haviam construído uma grande muralha a partir das sombrancelas de Ymir, que circundavam este local que eles nomearam Midgard. Uma enorme serpente chamada Jormungandr, a Serpente de Midgard, rodeia toda a extensão do círculo da Terra, devorando qualquer homem que tentasse sair de Midgard. 

Terminada Midgard, Odin e seus irmãos caminharam sobre ela para ver se tudo estava perfeito, e encontraram dois pedaços de troncos caídos ao chão, próximos do mar. Odin então teve a idéia de criar os primeiros seres humanos, Ask (freixo) e Embla (Olmo). Odin lhes presentiou com espírito, enquanto Vili lhes deu os cinco sentidos e Ve, a vida e o sangue.

Ask e Embla

Após isso, Odin e seus irmãos decidiram criar uma morada exclusiva para os deuses, Asgard, a Cidade Dourada. Asgard estava situada acima da elevada planície de Idawold, que flutuava muito acima de Midgard, impedindo que os mortais a observassem. Além disso, um rio cujas águas nunca congelavam - o Iffing - separava a planície do restante do universo. Mas, Odin, sábio e poderoso como era, entendeu que não seria bom se jamais existisse um elo de ligação entre deuses e mortais. Por isso, determinou que fosse construída a ponte Bifrost (a ponte do Arco-íris), feita da água, do fogo e do mar. Heimdall, um estranho deus nascido ao mesmo tempo de nove gigantas, ficaria encarregado, desde então, de vigiá-la noite e dia para que os mortais não a atravessassem livremente no rumo de Asgard. Para isso, ele portava unia grande trompa, que fazia soar todas as vezes que os deuses cruzavam a ponte.


A morada dos deuses possuía várias residências, as quais foram sendo ocupadas pelos deuses à medida que iam surgindo. O palácio de Odin, o mais importante de todos, era chamado de Gladsheim. Ali, o deus supremo linha instalado o seu trono mágico, Hlidskialf, de onde podia observar tudo o que se passava nos Nove Mundos e receber de seus dois corvos, Hugin (Pensamento) e Munin (Memória), as informações trazidas das mais remotas regiões do universo.

Odin também criou mais deuses, os Aesires, para povoarem Asgard. Um outro grupo de deuses, os Vanires, surgiu antes ou após os Aesires. Suas origens são muito misteriosas, mas eles parecem povoar Vanaheim, uma terra próxima de Asgard. 


Asgard


fontes de pesquisa:


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

2 comentários:

  1. O que me veio na cabeça:
    http://www.youtube.com/watch?v=W-bCRpP4uaM

    ResponderExcluir



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby