25 de novembro de 2013

Rei Arthur

۞ ADM Sleipnir



O Rei Arthur foi um lendário personagem britânico, cuja vida e obra tornaram-se a base para uma coleção de contos conhecidos como as Lendas Arturianas. Como uma figura de destaque na mitologia britânica, o Rei Arthur é um herói nacional e um símbolo da herança heróica da Grã-Bretanha. Mas seu encanto não se limita a Grã-Bretanha. A história de Arthur, com os seus elementos de mistério, magia, amor, guerra, aventura, traição, bravura, e morte, tocou a imaginação popular e tornou-se parte da mitologia compartilhada do mundo.

Fontes

Arthur nasceu em algum lugar na região enevoada onde história e imaginação se encontram. As lendas originais podem ter sido baseadas em uma pessoa real, mas os estudiosos ainda não conseguiram determinar quem foi essa pessoa. Seja real ou imaginária, a história de Arthur foi moldada pelos mitos antigos e criações literárias que se desenvolveram em torno dele, e o rei da corte medieval que aparece nas versões mais conhecidas da história de Arthur é a criação de um momento posterior.

Indícios históricos 



Arthur existiu de verdade? Quase 1.500 anos após a primeira referência escrita conhecida de Arthur, os estudiosos ainda debatem esta questão. Alguns acreditam que o Rei Arthur pode ser baseado em um líder de guerra , possivelmente chamado Artorius, que defendeu os povos celtas nativos da Grã-Bretanha contra os invasores anglo-saxões, após Roma retirar suas tropas das Ilhas Britânicas em 410 d.c. Referências a este herói aparecem em um livro escrito por volta de 550 por um monge celta chamado Gildas, em uma obra de Nennius, um historiador celta por volta de 800 d.c.  e em uma história de Gales compilada em torno de 955 d.c. De acordo com essas histórias, Artorius travou uma série de batalhas contra os saxões em algum momento entre 500 e 537 d.c.

Um pesquisador chamado Geoffrey Ashe propôs uma identidade diferente para Arthur. Ele baseou sua teoria em uma carta que um nobre romano escreveu em torno de 460 d.c. a um rei britânico chamado Riothamus. Vinculando esta carta à relatos medievais de obras de Arthur na França, Ashe sugeriu que Riothamus, que liderou um exército britânico na França, pode ter sido a inspiração para a lenda de Arthur .

Conexões mitológicas 

A figura histórica pode ter contribuído para a lenda de Arthur , mas o folclore celta contribuiu de fato. Os Celtas combinaram histórias do guerreiro Arthur com as de personagens mitológicos mais antigos, como Gwydion , um rei-sacerdote galês. Velhos contos galeses e poemas insere, Arthur em lendas celtas tradicionais, incluindo um caça a um porco selvagem encantado e a busca de um caldeirão mágico. Além disso, Arthur é rodeado por um grupo de seguidores leais, que lembram muito aqueles associados ao lendário herói irlandês Finn.

Conforme o tempo passou, as antigas características pagãs e celtas da história do Rei Arthur foram enterradas sob novas camadas de mito. Algumas versões afirmam que Arthur era descendente de Enéias, o lendário fundador de Roma. Este detalhe conecta a mitologia britânica com as da Grécia e Roma antigas. Como a Grã-Bretanha ficou sob domínio anglo-saxão, Arthur tornou-se um líder idealizado, um símbolo de identidade nacional que uma vez uniu todos os reinos em guerra das Ilhas Britânicas. Em alguns relatos, ele liderou seus exércitos em toda a Europa, um poderoso conquistador como o Alexandre, o Grande do mundo antigo .

O cristianismo também desempenhou um papel nas histórias de Arthur. Alguns analistas compararam Arthur, um homem bom que foi traído por aqueles mais próximos a ele, à Jesus, que foi traído por seu confiável discípulo, Judas. Com o tempo, a história de Arthur poderia ser interpretada como um conto de vícios e virtudes cristãs.

Desenvolvimento literário 



Estudiosos modernos puderam traçar as mudanças na história do Rei Arthur através das obras de determinados escritores medievais. O mais importante desses escritores foi Geoffrey de Monmouth, que viveu e trabalhou entre 1100 e 1155 d.c. Sua "História dos Reis da Grã-Bretanha" contém o relato mais detalhado sobre o Rei Arthur escrito até aquele momento. Geoffrey inspirou-se no folclore galês e, possivelmente, em histórias anteriores, mas o seu Arthur - um herói nacional conquistador - é sobretudo a sua própria criação literária.

O trabalho de Geoffrey introduziu Arthur a um público mais amplo. Logo ingleses e europeus escritores estariam produzindo suas próprias versões de sua vida e acrescentando novos personagens, aventuras, e detalhes. Sir Thomas Malory, um escritor inglês, teceu várias vertentes da história em um volume extenso chamado Le Morte D' Arthur ( A Morte de Arthur), que colocou o Rei Arthur firmemente no mundo medieval. Publicado em 1485, tornou-se o relato mais conhecido e mais lido do lendário rei. Imagens modernas de Arthur, desde livros a filmes, histórias em quadrinhos e desenhos animados, são em grande parte baseadas na história de Malory .

Vida e obra de Arthur

A vida do Rei Arthur inclui muitas características encontradas em mitos de todo o mundo, desde a sua ascendência secreta até sua derradeira viagem a um paraíso sobre as águas. Embora os elementos sobrenaturais, como magia, feiticeiros, e os gigantes desempenhem papéis fundamentais na história, a sua essência é o simples drama de um homem lutando para viver segundo os mais altos padrões em um mundo com a fraqueza humana.

Nascimento e educação

De acordo com Malory, Arthur era o filho de um rei chamado Uther Pendragon, que se apaixonou por Igraine , esposa do Duque Gorlois da Cornualha. Com a ajuda de um mago chamado Merlin, Uther se disfarçou como Gorlois e concebeu uma criança com Igraine (algumas versões dizem que Uther se casou com Igraine após a morte de Gorlois). Seu filho, nascido no castelo de Tintagel, na Cornualha, foi nomeado Arthur .



Merlin assumiu o comando da educação do menino, arranjando um cavaleiro chamado Sir Hector para criar Arthur como seu filho adotivo. Quando o rei Uther morreu, ele não deixou nenhum herdeiro conhecido para o trono. Foi dito que a pessoa que conseguisse puxar a espada mágica Excalibur da pedra que a segurava seria o próximo rei. Os maiores cavaleiros da terra aceitaram o desafio , mas nenhum conseguiu retirar a espada . Quando Sir Hector trouxe o jovem Arthur para Londres, ele foi capaz de retirar a espada com facilidade, provando assim que ele estava destinado a ser o rei da Inglaterra. Em um ponto mais tarde na história de Arthur, no entanto, Malory diz que ele recebeu a espada de uma figura misteriosa conhecida como "A Dama do Lago". De qualquer forma, Arthur tornou-se rei e ganhou a posse de Excalibur. O sábio Merlin o ajudou a derrotar os reis e nobres rebeldes que se opunham a sua realeza.

Posteriormente, Arthur foi visitado por Morgause, esposa do rei Ló das Ilhas Orkney. Morgause era filha de Igraine e meia-irmã de Arthur. Entre seus filhos está Gawain , sobrinho de Arthur, que se tornou um defensor leal do rei, e Mordred, que em algumas versões da história,  é filho de Arthur,  o resultado de uma relação incestuosa e, assim, talvez, destinado a ser a semente da destruição de Arthur .

Túmulo de Arthur 

Arthur tem sido associado com Glastonbury, localizada no sudoeste da Grã-Bretanha. Velhas tradições afirmam que os primeiros cristãos britânicos fundaram uma abadia em Glastonbury em 166 d.c. . Ela existiu até um incêndio a destruir em 1184. Segundo a lenda, Arthur e sua rainha Guinevere, foram enterrados nas proximidades. No túmulo de Arthur estariam escritas essas palavras: "Aqui jaz Arthur , rei que foi , rei que será." Algumas crônicas dizem que o rei Henrique II ordenou que o túmulo fosse aberto em 1150 e que ele continha o esqueleto e a espada de Arthur. Os estudiosos modernos, porém, têm sido incapazes de separar a realidade da lenda.

O Destino do Rei

Arthur se apaixonou por Guinevere, filha do rei Leodegran da Escócia. Mas Merlin disse que Arthur tinha que lutar uma campanha na França antes que ele pudesse se casar. Uma vez que Arthur retornasse em triunfo da França, ocorria o casamento. Como um presente , os pais de Guinevere deram a Arthur uma grande mesa redonda para os cavaleiros que compunham sua corte. Esta Mesa Redonda tornou-se o símbolo da comunhão dos bravos cavaleiros que realizavam missões para derrotar o mal, ajudavam as pessoas em perigo, e mantinham a terra livre. Entre as suas missões está a busca pelo Santo Graal.

Rei Arthur tornou Camelot sede da sua corte, e Merlin construiu um castelo com uma câmara especial para a Távola Redonda. Depois de um tempo, porém, começaram a surgir problemas no reino. A Rainha Guinevere e Lancelot, o  melhor cavaleiro e amigo de Arthur, tornaram-se amantes. Mordred acusou a rainha de adultério e Lancelot defendeu sua honra, mas o conflito destruiu a unidade da corte. Alguns cavaleiros ficaram ao lado de Arthur, outros se uniram a Mordred. Após muitas batalhas, Guinevere voltou para Arthur.

Em um momento posterior , Arthur deixou Mordred no comando do reino , enquanto ele partiu em uma campanha militar. Enquanto o rei estava fora, Mordred conspirou contra ele, planejando se casar com Guinevere e assumir definitivamente o posto de governante da Grã-Bretanha. Quando Arthur voltou e soube da trama, ele foi à batalha contra Mordred .

A Batalha de Camlann

Os exércitos de Artur e Mordred se encontraram perto da cidade de Salisbury. Enquanto os dois comandantes discutiram os termos da paz, um soldado viu uma cobra na grama e desembainhou sua espada . Em um flash, todos os cavaleiros sacaram suas armas e partiram para o combate. Arthur acaba matando Mordred, porém é gravemente ferido. Ele pede para o único sobrevivente da batalha, Sir Bedivere, para que lance a sua Excalibur no lago. Num primeiro momento, Sir Bedivere hesitou, mas acaba atendendo o pedido. Uma mão emerge da água - a mão da da Dama do Lago - e pega a espada. Em seguida, uma misteriosa embarcação aparece. Sir Bedivere coloca Arthur na barca, que o leva para ilha sagrada, Avalon. Lá, ele seria cuidado por Morgan Le Fay e curado de suas feridas. A lenda diz que ele irá voltar um dia, quando a Inglaterra precisar muito dele.



Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

2 comentários:

  1. Para compreender tanto assim o Rei Arthur, a senhorita deve ser uma princesa !
    Antonio Marcos.

    ResponderExcluir



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby