17 de janeiro de 2013

Anansi

۞ ADM Sleipnir



Anansi, a aranha, também conhecida por Ananse, Kwaku Ananse ou Anancy é um dos animais trapaceiros mais populares da mitologia do Oeste Africano. Criaturas como ela são figuras perniciosas que muitas vezes se opõem à vontade dos deuses, resultando em algum tipo de infortúnio para os seres humanos. Assim como muitas outras criaturas trapaceiras, o astuto Anansi pode mudar sua aparência para se parecer com um ser humano, um coelho, uma raposa, ou outros animais. 


Os oeste-africanos consideravam Anansi originalmente como o ser criador do mundo. Ele sempre agiu como um intermediário entre os seres humanos em suas relações com o deus do céu Nyame, e ele supostamente persuadiu Nyame para dar a chuva e a noite para as pessoas. Na maioria das histórias, no entanto, Anansi é um malandro esperto e ardiloso que torna a vida mais agradável para si mesmo (ou mais difícil para os outros) enganando humanos, outros animais, e até mesmo os próprios deuses, muitas vezes usando sua inteligência e conhecimento da forma de pensar de suas vítimas para enganá-las e alcançar seu objetivo. 


Em um conto bem conhecido, Anansi pede a Deus uma espiga de milho e promete retribuir com 100 servos. Ele leva a espiga de milho para uma aldeia e diz ao povo que ela é sagrada. Durante a noite, Anansi alimenta os frangos com o milho. Na manhã seguinte, ele acusa os moradores de roubar o milho, e eles dão-lhe um alqueire de espigas para compensar a que foi perdida. 

Em seguida, Anansi encontra um homem na estrada e troca o milho por um frango. Ele visita a outra aldeia e diz ao povo que o frango é sagrado. Naquela noite, ele mata o frango, e na manhã seguinte os moradores assustados dão-lhe 10 ovelhas para substituí-lo. Anansi posteriormente troca as ovelhas por um cadáver, que leva a uma terceira aldeia e conta as pessoas que ele é o filho de Deus que dorme. Como os moradores não podem acordar o corpo na manhã seguinte, Anansi diz que eles mataram o filho de Deus. Os moradores aterrorizados oferecem-lhe 100 de seus melhores jovens, e Anansi leva-os a Deus para cumprir sua parte do trato. 


Anansi, o mestre das histórias

Existia uma época onde não haviam histórias do mundo. O deus do céu, Nyame, tinha todas elas. Anansi foi até Nyame e perguntou-lhe quanto lhe custaria para adquiri-las.


Nyame riu de Anansi e definiu um preço alto: Anansi deve trazer de volta Onini - a Python, Osebo - o Leopardo, as vespas Mmoboro, e Mmoatia, a fada.

Ele pensava que com isso, faria Anansi desistir da idéia, mas ele apenas respondeu:

 - Pagarei seu preço com prazer!

 Novamente o Deus do Céu riu muito e falou:

 - Ora Anansi, como pode um velho fraco como você, tão pequeno, tão pequeno, pagar o meu preço?


Mas Anansi nada respondeu, apenas desceu por sua teia de prata que ia do Céu até o chão para pegar as coisas que o Deus exigia.

Anansi então definiu como iria capturá-los. Primeiro ele foi até onde Python vivia e perguntou em voz alta se Python era realmente mais longo ou não do que o ramo de palmeira, como sua esposa Aso dizia. Python ouviu e concordou em deitar-se ao longo do ramo de palmeira para prová-lo. Como ele não pode tornar-se completamente reto, uma verdadeira impressão de seu comprimento real era difícil de obter, então Python concordou em ser amarrar ao redor do ramo. Quando ele estava completamente amarrado, Anansi o levou para Nyame.


Para pegar o leopardo, Anansi cavou um buraco profundo no chão. Quando o leopardo caiu no buraco Anansi se ofereceu para ajudá-lo com suas teias. Uma vez que o leopardo conseguiu deixar o buraco, ele ficou preso nas teias de Anansi e foi levado também a Nyame.

Para pegar as vespas, Anansi encheu uma cabaça com água e derramou um pouco  sobre uma folha de bananeira que manteve sobre a sua cabeça. Derramou também um pouco de água sobre o ninho e gritou que estava chovendo. Ele sugeriu que as vespas entrassem na cabaça vazia, e quando elas entraram, ele rapidamente selou a abertura.

Para pegar a fada, Anansi fez uma boneca e cobriu-a com uma goma pegajosa. Ele colocou a boneca debaixo da árvore odum onde as fadas costumavam e colocar um pouco de inhame em uma tigela em frente a ela. Quando o anão veio e comeu o inhame ele agradeceu a boneca que, naturalmente, não respondeu. Aborrecido por seus maus modos que ela tinha atingiu, primeiro com uma mão depois a outra. As mãos ficaram presas e Anansi a capturou.


Anansi entregou seus cativos até Nyame, que o recompensou com as histórias, que agora se tornaram conhecidas como as histórias de Anansi ou Anansesem. 


O contexto do caráter de Anansi 


Embora a origem do personagem Anansi seja obscura, ele parece ter vindo da tribo Ashanti, situada em Gana, na África Ocidental. A popularidade do personagem rapidamente se espalhou para outras tribos no bairro, incluindo o Nzema e o Akyem. 



Muitas das suas histórias foram levadas para as Índias Ocidentais, América do Sul e América do Norte por escravos africanos nos séculos anteriores. Em algumas partes da América do Norte, Anansi se tornou conhecida como Tia Nancy ou senhorita Nancy. 

Malandros são freqüentemente populares em segmentos mais frágeis da sociedade, porque eles usam sua inteligência e astúcia para sobreviver a condições adversas. Eles usam a esperteza e o engano em oposição a força ou inteligência, que muitas vezes não possuem. A popularidade dos contos de Anansi entre escravos africano-americanos foi em parte devido ao papel do malandro como um sobrevivente. 


Anansi, como um dos mais populares personagens da mitologia Africano, é muitas vezes caracterizado em contos populares e histórias infantis. 

Ele desempenha um papel central na ficção Neil Gaiman Anansi Boys (2005), um romance de fantasia contemporânea sobre um homem que descobre que seu falecido pai foi Anansi e que seu irmão veio a herdar seus poderes especiais.


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

7 comentários:

  1. adorei o portal dos mitos muitas coisas eu nao sabia valeu continue assim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. #ADM Sleipnir: Obrigado! Continue nos prestigiando com sua leitura

      Excluir
  2. O conto O macaco e a boneca de piche deve ter vindo dai!

    ResponderExcluir
  3. A história é bacana! Muito bom que essa cultura africana seja divulgada e apreciada.
    No entanto acho que tem alguns erros de digitação no texto, estou certo? Por favor, se possível, releia o conto do baú de histórias da Anasi, foi ali que os encontrei.
    Grato!

    ResponderExcluir
  4. Li esta história para criancças de uma EMEI e havia perdido est história que bom reecontra lá aqui.

    ResponderExcluir
  5. Supershock me trouxe aqui...

    ResponderExcluir



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby