20 de janeiro de 2017

O Conto de Jiraiya, O Galante

۞ ADM Sleipnir


Muitos conhecem os personagens Jiraiya, Tsunade e Orochimaru do mangá e anime Naruto, porém, o que poucos sabem é que estes personagens pertencem originalmente a um conto chamado Jiraiya Goketsu Monogatari (児雷也豪杰物语, "O Conto do Galante Jiraiya" ou "Os Contos Heróicos de Jiraiya").

Jiraiya Goketsu Monogatari foi publicado pela primeira vez no ano de 1839. Em 29 anos (até 1868), tornou-se uma série popular composta por 43 romances ilustrados e concluída por 4 autores diferentes.

No entanto, a inspiração para Jiraiya tem suas origens numa antiga lenda chinesa da dinastia Song. Nesta lenda, um personagem cujo nome real é desconhecido, era um bandido heróico, cujos atos eram semelhantes aos de Robin Hood. Ele era chamado de Zi Lai Ye  (mandarim: 自来 也) e a única razão pelo qual ele era chamado assim era porque ele deixava esses kanjis grafados nos lugares que ele roubava. Esses caracteres podem ser traduzidos como: "Eu estive aqui".

Quando a lenda do bandido chegou ao romance japonês, os elementos de magia de mudava a forma e misticismo ninja foram adicionados. O nome do japonês Jiraiya em kanji mais tarde se tornou 児 雷 也 (jovem trovão).

Após a série ter sido concluída, parte da história foi adaptada para o teatro kabuki em 1852.


O Conto de Jiraiya, O Galante

Neste resumo da versão kabuki do conto, o espírito demoníaco de uma serpente gigante foi a causa da miséria para o clã Tsukikage, Ogata e Matsuura - aos quais Orochimaru (大蛇 丸), Jiraiya (自来 也 ou 児 雷 也) e Tsunade (綱 手) pertenciam, respectivamente.

Há muito tempo, existiu um espírito maligno sob a forma de uma serpente gigante que atormentava os seres humanos, e que tinha ambições de obter poder sobre todo o Japão.

Para que isso acontecesse, o espírito da serpente decidiu assumir o controle do influente clã Tsukikage, cujo domínio feudal era a província de Echigo. Seu líder - Tsukikage Gunryo Miyukinosuke - era também o regente do Shogunato (governo feudal de Japão) e crucial para o plano da serpente maligna.

O Espirito da Serpente toma o controle do Clã Tsukikage

No fatídico dia, o espírito da serpente atacou Tsukikage Miyukinosuke. Se não fosse Orochimaru, que apareceu do nada e interveio ao seu favor, o senhor e regente de Echigo teria sido morto. Por esse motivo, o Senhor Miyukinosuke adotou Orochimaru como um filho. Este seria um erro que selaria o destino dos clãs Tsukikage, Ogata e Matsuura.

Sem o conhecimento do Senhor Miyukinosuke, o demoníaco espírito da serpente gigante havia possuído Orochimaru, fazendo dele uma mera marionete desde o início. O espírito da serpente e Orochimaru haviam encenado o ataque e resgate, e de acordo com o plano, o senhor de Echigo efetivamente adotou a serpente do mal em seu clã.

Com o passar do tempo, a serpente maligna manipulou o senhor para que este assassinasse todos os seus descendentes, deixando Orochimaru como seu único sucessor.


Os clãs Ogata e de Matsuura guardavam dois selos poderosos (isto é, selos das insígnias) confiados a eles pelo governo feudal. Os documentos marcados por estes selos eram prova do apoio do Shogun ao levante de um exército e de uma frota da marinha.

O espírito da serpente desejava o poder oferecido por esses selos, e precisava que os dois poderosos clãs ficassem fora do seu caminho.

Em conseqüência, o senhor Miyukinosuke primeiramente fez o shogunato acreditar que seus aliados planejavam um golpe. Depois, enganou os dois clãs fazendo com que desistissem de seus selos antes de obliterá-los. Suas forças então jogaram duas crianças, Jiraiya e Tsunade, de um penhasco, eliminando assim os dois respectivos sucessores dos clãs Ogata e Matsura

Para a sorte das duas crianças, um eremita chamado Senso Dojin as salvou e as criou.

O treinamento para derrotar Orochimaru

Determinado a vingar seus clãs e restaurar a honra manchada, Senso Dojin começou a treinar Jiraiya e Tsunade, respectivamente, na arte da magia de mudança de forma do sapo e da lesma.

No entanto, o impasse de três vias era um problema. A magia da serpente superava a magia do sapo; a magia do sapo superava a magia das lesmas e a magia das lesmas poderia derrotar magia de cobra. A chave para derrotar Orochimaru, então, era encontrar e usar uma espada chamada Nakirimaru, que possuía o poder de exorcizar espíritos malignos.

Tsunade e Jiraiya
A Primeira Batalha contra Orochimaru

Em sua primeira batalha, Orochimaru lutou contra Jiraiya e o feriu gravemente. Felizmente, Tsunade chegou a tempo e salvou Jiraiya com seu prodigioso uso de magia das lesmas. Apesar de ter escapado da morte, as feridas que Jiraiya recebeu foram suficientemente graves para incapacitá-lo, e o único antídoto era o sangue de uma donzela que tenha nascido no ano, dia e hora da serpente.

O Sacrifício de uma irmã

Jiraiya e Tsunade continuaram sua busca pela espada. Quando entraram na província de Echigo, encontraram Ayame, a filha adotiva do clã Tsukikage. Jiraiya então acabou fazendo uma surpreendente descoberta: Ayame era sua irmã (que havia sido poupada durante o massacre do clã).

Percebendo que ela era a donzela nascida no ano da cobra, ela se esfaqueou como um sacrifício para salvar seu irmão. Seu sangue era o antídoto, e com seu sacrifício, ela garantiu que Jiraiya e Tsunade pudessem se vingar e restabelecer os dois clãs. Jiraiya foi completamente curado.

A Derrota de Orochimaru

Anos se passaram, até que finalmente Jiraiya e Tsunade encontraram a espada Nakimaru, em Jigokudani, "Vale do Inferno". Unidos, Jiraiya e Tsunade enfrentaram Orochimaru novamente. Eles o encurralaram, e usando a espada Nakimaru, exorcizaram o espírito demoníaco da serpente. O mal-entendido envolvendo os clãs Ogata e Matsura foi solucionado e o Shogunato restabeleceu seus clãs.

Desde que a serpente demoníaca foi exorcizada, Orochimaru deixou de ser possuído. Ele acabou sendo perdoado por seus crimes graças a um pedido de Jiraiya ao Shogun.

Arte de Marcos Villaroel para o card game Mitos y Leyendas
fonte:
Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

19 de janeiro de 2017

Portal no Youtube: Xing Tian

۞ ADM Sleipnir

Nosso vídeo falando sobre Xing Tian, o lendário gigante sem cabeça da mitologia chinesa. Inscrevam-se em nosso canal, e se gostarem do vídeo, qualifiquem-o e compartilhem-o nas redes sociais!




Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

18 de janeiro de 2017

Bakasura

۞ ADM Sleipnir

Arte de GrilledRacoon
Bakasura (em sânscrito: बकासुर; também chamado Bakasur ou Bakasuran) é um personagem do épico hindu Mahabharata. Ele pertencia a uma raça de demônios canibais conhecidos como Rakshasas, cujo membro mais ilustre foi o maior adversário de Rama, Ravana.

Segundo a lenda, Bakasura vivia numa floresta aos arredores da aldeia de Ekachakra, e obrigava o rei a enviar-lhe todos os dias uma enorme quantidade de provisões. Seu apetite era tamanho que ele devorava não só as provisões, mas também os homens que as traziam. Antes desse acordo, Bakasura atacava a aldeia a todo momento, matando e devorando homens, mulheres e crianças indiscriminadamente. A ameaça de Bakasura durou 13 anos até a chegada de Kunti e seus filhos, os irmãos Pandavas. Cumprindo seu exílio, eles viajavam de cidade em cidade disfarçados como brâmanes, e um dia chegaram a aldeia de Ekachakra. Lá, eles ficaram hospedados na casa de um brâmane, juntamente com sua esposa e seu casal de filhos.

Após alguns dias vivendo na mais completa paz, Kunti ouviu gritos vindo da casa do brâmane, e resolveu verificar o que estava acontecendo. Dentro da casa, cada um dos membros da família estavam numa discussão onde cada um dizia estar disposto a sacrificar sua vida. O brâmane dizia que como chefe da família, era seu dever salvá-la sacrificando a própria vida. A esposa declarava que era seu dever para com a família. A filha do casal intervinha dizendo que era seu dever oferecer a sua vida. De forma semelhante, o filho menor também estava se oferecendo. Kunti não conseguia compreender o motivo por trás dessa conversa, e após ela calmamente pediu ao brâmane para lhe explicar, ele narrou a história de Bakasura. 

Arte de Yarkspiri
Ele explicou a Kunti o acordo que o rei tinha feito com o demônio, onde um aldeão deveria levar até ele um carregamento de comida e o demônio devorava tanto a comida quanto o homem que a levava. Bakasura já tinha matado muitos dos aldeões dessa maneira, e agora era a vez da família do brâmane oferecer um membro de sua família para levar comida ao demônio. Ao ouvir tudo isso, Kunti disse que enviaria um de seus filhos para levar a comida até Bakasura, privando assim a família do brâmane. 

Ela explicou que o convidado se torna uma parte da felicidade da família e problemas e assim que o problema da família Brahmin foi o seu problema também, então ela tinha direitos completos para resolvê-lo. O brâmane insistiu que ela não fizesse esse sacrifício, mas Kunti declarou que ela tinha cinco filhos, e mesmo se um deles morresse, ela ainda teria quatro. Ela insistiu que o brâmane deveria sobreviver e cuidar de sua esposa e filhos, pois sabia que seria muito difícil para a esposa educar os filhos sem um marido - uma situação na qual ela mesma se encontrava. Após conversar com seus filhos, ficou decidido que Bhima levaria o carregamento até Bakasura. 

Ao chegar na floresta, Bhima encontrou Bakasura, e para irritá-lo, comeu toda a comida. Bakasura ficou extremamente furioso e ameaçou devorar Bhima, mas o mesmo somente gargalhou, provocando o demônio para que este o atacasse. Bhima e Bakasura travaram um combate que durou um dia inteiro, e no final Bhima matou Bakasura e arrastou seu corpo até os portões da aldeia.


Quando a notícia da morte de Bakasura chegou à aldeia, todos ficaram encantados. Todos se reuniram para celebrar a pessoa que havia matado Bakasura, e foram para a casa dos brâmanes, onde os Pandavas estavam hospedados. Ao tomar conhecimento disto, os Pandavas decidiram deixar Ekachakra, antes que todos descobrissem suas identidades.

Bakasura, servo de Kamsa

Um segundo demônio, também chamado Bakasura, certa vez foi enviado para matar Krishna a pedido de Kamsa, um ímpio tio materno de Krishna. Uma profecia dizia que o oitavo filho dos pais de Krishna iria matar Kamsa, e Krishna era este oitavo filho.

Este Bakasura decidiu tomar a forma de um enorme pássaro para assustar o jovem Krishna. Um dia, Krishna estava brincando com seus amigos nas florestas de Gokul, quando viu um pássaro gigante vir sobre eles. Krishna imediatamente entendeu que ele era um demônio enviado por Kansa para matá-lo. Quando o pássaro se aproximou, o corajoso Krishna abriu o seu bico e rapidamente entrou dentro dele. Dentro do bico, Krishna se contorcia tanto que o bico de Bakasura acabou quebrando. Esgotado, Bakasura morreu depois de algum tempo e caiu no chão.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

Portal no Youtube: Fachen

۞ ADM Sleipnir

Nosso vídeo falando sobre o Fachen, uma criatura do folclore escocês/irlandês. Inscrevam-se em nosso canal, e se gostarem do vídeo, qualifiquem-o e compartilhem-o nas redes sociais!

Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

16 de janeiro de 2017

Orek

۞ ADM Sleipnir

Arte de Alexandra Schastlivaya

No folclore turco, um Orek (em turco: Örek; em azerbaijanês: Örək ;  em tatar: Өрәк ou Öräk; em bashkir: Өрәк) é um cadáver animado trazido de volta à vida por meios místicos, como a feitiçaria. 
Eles são tipicamente retratados como cadáveres sem consciência, e uma vez reanimados, manifestam um insaciável desejo por carne humana.

A idéia sobre a existência de Örek está presente em algumas comunidades turcas, onde acredita-se que uma "garota vestida de branco" é a responsável por transformar os mortos nessas criaturas hediondas.

Arte de XeiArt

Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

13 de janeiro de 2017

Uttu

۞ ADM Sleipnir


Uttu (ás vezes chamada de Deusa Aranha)  é a deusa suméria das artes domésticas, da tecelagem e vestuário, às vezes confundida com Utu/Shamash, o deus sol sumério. Ela é filha dos deuses Enki e Ninkurra, e bisneta de Ninhursag. Na produção de tecidos, ela compartilha com as mulheres humanas o seu dom criativo. Acreditava-se que Uttu fosse o modelo sumério de uma esposa perfeita. De fato, em um dos mitos tardios, Enki encarrega Uttu de tudo que era relacionado com as mulheres. Acreditava-se também que ela ajudava as mulheres com dificuldades no parto.

Sua maior participação nos mitos sumérios se dá no ciclo incestuoso de relações sexuais entre Enki e sua descendência. Após Ninhursag abandonar Enki e deixar a morada dos deuses, Dilmun, Enki seduziu e se relacionou sexualmente com sua filha Ninsar. Ninsar deu a luz a Ninkurra, que por sua vez também foi seduzida por Enki, e posteriormente deu à luz a Uttu. Enki tentou de todas as formas seduzir Uttu. Uma versão da história conta que Uttu buscou conselhos com sua bisavó Ninhursag, que a aconselhou-a a evitar as margens do rio e, assim, escapar das investidas de Enki. Já outra versão conta que Enki consegue seduzir Uttu e ter relações sexuais com ela.

Antes que Uttu engravidasse de Enki, Ninhursag retira todo o sêmen do ventre da deusa e o derrama sobre a terra, onde sete plantas germinam rapidamente. Eventualmente Enki se alimenta dos frutos dessas plantas, e acaba adoecendo, ficando com inchaços em sua mandíbula, dentes, boca, garganta, em seus braços, pernas e também em suas costelas. Apesar de ser parte do plano de Ninhursag para se vingar do ex-marido, no fim, ela acaba se arrependendo, e ajuda seu ex-marido, criando deuses para cuidar de cada uma das enfermidades dele.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!
Ruby